sexta-feira, 3 de abril de 2015

Blues para Irmã Sally

                                    I

bebê com cara-de-lua com braços de cocaína
                          dezenove verões
                          dezenove amantes

noviça do anjo drogado
secular irmã da humanidade penitente
            irmã na maconha
            irmã no haxixe
            irmã na morfina

contra a pia suja do banheiro
bombeando os braços cheios de vida
            (santo santo)
ela carrega o estigma (santo santo) do cristo delirante
                            (santo santo)
                            agulha santa
                            pó santo
                            veia santa

querida frustradinha: minha irmã faz com um pedaço
de vidro você acha que é normal  querida frustradinha

               EU EXIJO UMA RESPOSTA!



                                     II

                             chore
pela minha irmã ela anda com veias abertas
deixando seu sangue nos esgotos de suas cidades
              da costa leste
              para a costa oeste
              para lugar nenhum

 como devemos canonizar nossa irmã que não está
    completamente morta
       que fornica com estranhos
       que se masturba com agulhas
que tem medo do escuro e usa seu longo cabelo macio
    e preto
       contra seu rosto sem sangue



                                    III

meia-noite e o quarto verde-sonho e nebuloso
todos nós somos parte da colagem

           irmão e irmã, ela se inclina contra a parede
           e ele, deslizando a agulha em seu braço sem dor

           dedos pálidos (com amor) contra o braço pálido



                                     IV

crianças a nossa tarde é macia, nos apoiamos
         umas nas outras
             
                  nosso estoque está em nossos cotovelos
                  nossa correção está em nossas cabeças
deus é um drogado e ele vendeu a salvação
         pelo suprimento de uma semana       


                          (Lenore Kandel)